Notícias

Aperfeiçoamento de membros e servidores para atuar na proteção do meio ambiente é uma das prioridades da ESMPU

No Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado nesta quarta-feira (05/06), a instituição destaca a realização de atividades acadêmicas relacionadas à temática
publicado: 05/06/2019 12h26 última modificação: 05/06/2019 14h03

Nos últimos três anos, a Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) ofereceu mais de 20 atividades acadêmicas -  entre oficinas, cursos de aperfeiçoamento, seminários, simpósios e rodas de conversa - voltadas especificamente para a capacitação e para o aperfeiçoamento de membros(as) e servidores(as) do Ministério Público da União (MPU) que realizam diariamente a missão constitucional de proteger o meio ambiente. Já foram oferecidos treinamentos sobre Direito Ambiental, direito à água, impactos dos agrotóxicos no meio ambiente, desenvolvimento sustentável, valoração de danos ambientais, licenciamento ambiental, exploração ilegal de ouro, entre outros tópicos que buscam preparar o corpo funcional do MPU para atuar com eficiência no tema. 

A divulgação deste balanço acontece no dia que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data, criada há 42 anos, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, realizada em Estocolmo (Suécia), tem como objetivo promover a conscientização e ações em todo o mundo em relação ao meio ambiente.  

O diretor-geral da Escola, João Akira Omoto, ciente da importância do papel da ESMPU na formação de membros e servidores na temática e da complexidade das questões ambientais, explica que a instituição tem desenvolvido atividades pedagógicas variadas que atendem a uma visão plural e multidisciplinar da proteção do meio ambiente, com vistas à melhor formação dos quadros do MPU.

Já o coordenador de ensino do Ministério Público Federal (MPF), Edilson Vitorelli, enfatiza a importância do suporte oferecido pela Escola no aprimoramento dos conhecimentos de membros e servidores. De acordo com ele, o Direito Ambiental é uma temática que passa por constantes transformações e as diversas atividades acadêmicas permitem a contínua e tempestiva atualização dos agentes públicos que atuam na área. Um exemplo disso, é a realização da capacitação multidisciplinar em fiscalização de barragens, promovida pela Escola, de hoje (05/06) até sexta-feira (07/06), em Belo Horizonte (MG). “A atividade permitirá que os participantes estejam aptos a atuar com ainda mais qualidade neste assunto que, nos últimos anos, esteve no centro dos desafios vividos pelo Brasil. Dedicar o dia mundial do meio ambiente ao estudo das barragens é uma grande iniciativa da ESMPU”, completa Vitorelli.

A procuradora regional da República Gisele Porto, representante do MPF no Grupo Integrado do Gerenciamento Costeiro (GI-Gerco) da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM) e coordenadora do Grupo de Trabalho Bioma Marinho Costeiro, reforça o papel da Escola para que o corpo funcional do MPU tenha a expertise necessária para não ser surpreendido por novos assuntos e pela complexidade da legislação ambiental tão dinâmica. “Essas capacitações são importantíssimas para que possamos atuar com eficiência para a proteção do meio ambiente. Não só de forma repressiva em danos ambientais, mas, principalmente, de forma preventiva para evitá-los”, pontua Gisele.

Também priorizando a atualização tempestiva de conhecimento, a ESMPU promoverá oficinas interinstitucionais de capacitação em gestão de praias em 17 Estados costeiros, em resposta à lei que aprovou a transferência pela União da gestão de praias aos Municípios. As primeiras ocorrerão no Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS). A atividade foi pensada no contexto do Projeto MPF Gerco, da 4ª Câmara de Coordenação e Revisão (4ªCCR), e tem como orientadora pedagógica a procuradora regional. “As oficinas de gestão de praias são exemplo da sensibilidade e da cooperação da Escola com as necessidades de membros e servidores. Ganha o meio ambiente!”, comemora Gisele.

Publicações – A ESMPU tem quatro obras publicadas na temática. “Deficiências em estudos de impacto ambiental”, lançada em 2004 e relançada em fevereiro de 2017, faz uma análise qualitativa e multidisciplinar, fundamentada na experiência de analistas periciais e assessores do MPF e das principais deficiências nos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) correspondentes a Relatórios de Impacto Ambiental (RIMA) submetidos à análise do MPF. 

A segunda obra, “Valoração do dano ambiental em inquérito civil público”, é resultado do mestrado da servidora e economista Romana Coêlho de Araujo, realizado na Universidade de Brasília, em Gestão Econômica do Meio Ambiente. Com a aplicação de conceitos do direito e da economia, o livro tem como proposta discutir os métodos de valoração para mensurar o dano ambiental. Neste caso, ilustrado pelo derramamento de óleo no mar, causado pelo acidente na Baía de Guanabara (RJ) ocorrido em janeiro de 2000. 

Há ainda, à disposição de toda comunidade acadêmica, o Glossário de termos geológicos e ambientais aplicados às geociências, elaborado pelo geólogo Jorge Gomes do Cravo Barros, que é uma ferramenta de trabalho para os membros e servidores do Ministério Público, estudantes, profissionais do Direito e para o público em geral. Esta publicação mostra conceitos técnicos com uma linguagem acessível, o que facilita a sua compreensão e utilização. Existe também um volume da série Grandes Eventos  que traz artigos de membros do MPU e de estudiosos acerca das diversas frentes de governança global e direito internacional ambiental, aspectos jurídicos da biossegurança no Brasil, gestão dos recursos hídricos, cidades sustentáveis, entre outros. 

Todas publicações citadas estão disponíveis no menu Publicações, do site da ESMPU.

Assessoria de Comunicação
Escola Superior do Ministério Público da União
E-mail: ascom@escola.mpu.mp.br
Telefone: (61) 3313-5132 / 5126