Notícias

Diretoria-Geral apresenta balanço do primeiro ano de gestão

Entre os destaques estão o aperfeiçoamento pedagógico, a regionalização das atividades, a modernização de procedimentos e sistemas e a retomada da construção da nova sede
publicado: 19/02/2019 11h52 última modificação: 19/02/2019 11h52
O balanço das ações implementadas foi apresentado pelos diretores aos colaboradores da instituição

O balanço das ações implementadas foi apresentado pelos diretores aos colaboradores da instituição

O aperfeiçoamento pedagógico das atividades acadêmicas foi um dos marcos do primeiro ano de gestão do diretor-geral e o diretor-geral adjunto, João Akira Omoto e Alberto Bastos Balazeiro, à frente da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) desde o dia 2 de fevereiro de 2018. O balanço das ações implementadas foi apresentado pelos diretores aos colaboradores da instituição. Entre os destaques estão o projeto de regionalização das atividades acadêmicas, a modernização de procedimentos e sistemas, a execução orçamentária do ano passado e a retomada da construção da nova sede. 

João Akira ressaltou em sua apresentação que o aperfeiçoamento pedagógico das atividades era uma necessidade apontada pelo Ministério da Educação (MEC), no processo de credenciamento da ESMPU em 2016, e pelo relatório da Correição Geral realizada pela Corregedoria Geral do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), do mesmo ano. 

Além de promover medidas para contemplar as observações do MEC e do CNMP, como definição da linha de pesquisa “A promoção dos Direitos Fundamentais pelo Ministério Público da União” (composta por cinco eixos temáticos e cinco eixos transversais) e de métodos de aferição dos impactos das capacitações realizadas, a ESMPU ainda estabeleceu uma política de interlocução com a sociedade e com os ramos; e remodelou a metodologia de elaboração do plano de atividades para torná-lo mais aberto à participação da comunidade acadêmica e adequado às necessidades de capacitação de membros (as) e servidores (as). Além disso, desenvolveu o projeto de regionalização de suas atividades (já em fase de implementação) a fim de ampliar a participação do público que não residem em Brasília. 

As informações colhidas ao longo do ano passado e as medidas adotadas serão fundamentais para a construção do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) para 2020-2024, que já começou a ser pensado desde junho do ano passado por meio de oficina de planejamento com a participação dos conselheiros administrativos e coordenadores de ensino da ESMPU. Obrigatório para manutenção do credenciamento pelo MEC, o documento será elaborado a partir de quatro pilares: participação no planejamento, linhas de pesquisas, avaliação de impacto institucional e social e transversalização da perspectiva de gênero e étnico-racial. 

Em sua apresentação, o diretor-geral ainda mostrou dados relacionados às atividades acadêmicas. No ano passado, a ESMPU realizou 278 atividades, sendo 201 presenciais e 77 à distância. Dessas 278, 242 foram de aperfeiçoamento e 36 de extensão. Contabilizando todas as atividades, foram registradas 11.701 participações: 7.498 nas atividades presenciais e 4.203 nas em EaD.  

Atualmente, o MPU possui 2.378 membros ativos. Por meio de suas capacitações, a ESMPU conseguiu, em 2018, atingir 50% desse público. Com relação aos servidores, cujo quadro do MPU é de 14.452 pessoas, a Escola capacitou 23% desse total. 

Plano de Atividades – Outra medida adotada foi a alteração metodológica de elaboração do plano de atividades (PA), deixando-o mais participativo e amparado na necessidade de capacitação das atividades fim e meio do MPU. Na elaboração do PA 2019, por exemplo, foram feitas consultas a membros (as) e servidores (as), por meio de formulários eletrônicos, para identificar as reais necessidades de treinamento deles. As áreas temáticas de cada ramo também foram convidadas a participar.  

Segundo João Akira, anteriormente, o PA da Escola tratava os ramos do Ministério Público da União (MPF, MPT, MPM e MPDFT) separadamente, ficando clara a necessidade da construção de uma grade comum do MPU. Para atender a essa questão, foi criada a Câmara de Ensino composta pelo diretor-geral e os quatro coordenadores de ensino.  

Para este ano, a ESMPU prevê a realização de 242 atividades, com a oferta de 13.009 vagas entre cursos de aperfeiçoamento (presencial, semipresencial e em EaD), oficinas, palestras, seminários e simpósios. 

Custeio de cursos– Com a finalidade de otimizar o investimento nas atividades acadêmicas, democratizar e ampliar o acesso, foram definidas novas regras de participação nos cursos. A partir de 2019, a ESMPU custeará até quatro participações para membros(as) e duas para servidores(as), por ano. Outra ação administrativa foi a publicação de editais com custeio com antecedência mínima de 75 dias antes de sua realização, o que levou a redução em média de 20% no valor de cada passagem emitida.  

Modernização – Em 2018, a ESMPU priorizou o fortalecimento da infraestrutura de tecnologia de informação (TI) e a modernização do procedimento de solicitação de passagens e diárias. As iniciativas fazem parte do projeto “ESMPU Digital” que pretende, em 36 meses, desenvolver e implementar sistemas para realizar todos os processos da área fim e da área meio da Escola, como acompanhamento da execução orçamentária, histórico escolar de docentes e discentes, sistema interno de gestão de diárias e passagens, dentre outros. 

Execução orçamentária – No ano passado, houve o empenho recorde de 97,69% do orçamento previsto. Na atividade finalística, a execução orçamentária chegou a 92% do programado.  

Segundo o diretor-geral, o acompanhamento rígido do orçamento utilizado em cada atividade possibilitou que a ESMPU pudesse investir em infraestrutura de TI, além de executar novas atividades acadêmicas não previstas no Plano de Atividade de 2018.  

Nova sede da ESMPU – Por fim, em 2018, a ESMPU também retomou a construção de sua nova sede, paralisada desde 2013. O processo licitatório da segunda fase da obra foi iniciado em agosto de 2018, após a atualização dos projetos de engenharia e arquitetura e estimativa de custo. A previsão é que, no início de 2020, toda a parte acadêmica da ESMPU já esteja funcionando na nova sede.  

O novo prédio ficará ao lado da instalação atual (SGAS 604, Avenida L2 Sul). No total, o edifício terá cerca de 10 mil metros² de área construída, distribuídas em cinco andares. Serão seis salas de aula; ambientes para setores administrativos, de pessoal e de apoio; dois auditórios (150 e 116 lugares); biblioteca; laboratório de informática; estúdio de gravação; estrutura de videoconferência; lanchonete com área de convivência; garagem; e jardins internos para aproveitamento de luz e ventilação natural.  

Acompanhe pelo hotsite (http://escola.mpu.mp.br/h/nova-sede) a construção da nova sede.  

Matérias relacionadas:
Conheça o projeto de regionalização das atividades da ESMPU 
ESMPU apresenta etapas finais da elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional 2020-2024
Procuradoria da República em Belém receberá Centro de Apoio da ESMPU na Região Norte 
Rio de Janeiro receberá terceiro centro regional de apoio da ESMPU
Projeto de criação de unidades de apoio da ESMPU chega ao sul 
Diretor-Geral anuncia criação de centro de apoio da ESMPU em São Paulo 
Solicitação de diárias e passagens passa a ser feita por formulário eletrônico 
ESMPU começa a discutir novo Plano de Desenvolvimento Institucional

Assessoria de Comunicação
Escola Superior do Ministério Público da União
E-mail: ascom@escola.mpu.mp.br
Telefone: (61) 3313-5132 / 5126